sábado, 27 de maio de 2017

Bruxos Tradicionais e o Esoterismo da Tábua de Esmeralda




Por que nos guiamos esotericamente pela Tábua de Esmeralda?
Simples: Porque são verdades eternas, verdades perenes, que nunca morrem!
Agradecemos a profa. Lúcia Helena Galvão e a Nova Acrópole por disponibilizar o conteúdo esotérico e hermético que nos traduz com tamanha claridade como a água é cristalina.
Essa aula é a tradução do verdadeiro trabalho que um iniciado deve fazer consigo mesmo e por assim dizer, guiar sua própria vida.

Lembrando que, a deusa Isis (Aset) foi a deusa venerada em Benevento pelas stregas.





Por que bruxos tradicionais são hereges?




Por que bruxos tradicionais são hereges??
O que pensamos sobre Deus ou Deuses?
Todos cabem nos nossos corações?
Por que os wiccanos não compreendem os bruxos tradicionais?
Nesse documentário, o bate papo de Márcia Tiburi revela com grandeza de espírito e muita sabedoria todas essas questões, com riqueza de detalhes.
Queremos agradecer a Márcia por disponibilizar essa riqueza.

Em tempo, vale ressaltar que:
Bruxos alimentam uma egrégora de onde retiram seu poder.
O poder está no planeta Terra. Bruxos detém a faculdade de usar isso em seu favor, por necessidade ou não.
Herege significa aquele que faz escolhas, aquele que sabe escolher, como, quando e onde manipular energias sutis ou não.
Witch + Craft = arte dos sábios.

Nunca estivemos "desconectados" de nossa fonte espiritual original. Por isso, não precisamos do "religare". Dessa forma, não professamos uma única fé ou religião e, sim todas as tradições espirituais.

Candomblecistas que não são bruxos, não entendem isso e vão te mandar abandonar a bruxaria.
Religiosos que não são bruxos farão o mesmo.
Iniciados em uma única religião farão o mesmo.
Iniciados em dogmas sentirão ciúme de nós e discordarão de nós.
porque para essa gente, nós somos fraudulentos, desassociados, marginais que vivem na margem da sociedade, pervertidos, perigosos, e subvertidos.

Mas para compreender e ser um bruxo tradicional é preciso ter a mente aberta, mais do que nunca e considerar que o poder que nos veste vem de Elphame.
Chame Elphame pelo nome que você quiser, mas ainda assim será a mesma fonte espiritual por trás de qualquer bruxo(a), o poder cuja chave que só os bruxos detém.

Para quem sabe ler, o pingo do "i" é letra!!


A Deusa Vatica e o Poder nas Raízes do Vaticano





Para quem não sabe, o Vaticano foi construído em cima de um cemitério ETRUSCO.
O Catolicismo sempre foi uma cópia do paganismo.

Os Bruxos e o Poder - Documentário




quinta-feira, 6 de abril de 2017

Michael Howard diz o que é Bruxaria Tradicional


Michael lançou a revista The Cauldron em 1976, dedicada a feitiçaria e bruxaria moderna e tradicional e folk-magick. Por quase 40 anos ele investiu na edição de publicações bem respeitadas por sua seriedade. Com ele se ergueram nomes como Ronald Hutton, Gareth Knight, Cochrane, Evan John Jones, Rae Beth, Philip Heselton, Caroline Tully, Nigel Pennick, Rankina de David, Sorita, Geraldine Beskin e muitos outros.
Sua visão sempre muito ampla a respeito do Craft Traditional of the Witches abriu os olhos de quase todos no mundo.
Para saber mais sobre o que é Bruxaria Tradicional, leiam a entrevista clicando no link abaixo:

Os Benandanti - Por Carlo Ginzburg





Quando Alex Sanders e Doreen Valiente Falam sobre Arte





Entrevista com Bruxas Tradicionais - 1

Interview with Shani Oates



sábado, 1 de abril de 2017

Bruxas Cultas e Bruxas Leigas - o Culto e a Religião na Bruxaria





Algumas afirmações sobre o que é a bruxaria, da parte de alguns autores, soa audaciosa, já que, em algum momento, esses mesmos autores se esquecem de ampliar tanto o termo quanto há em fatos reais. Nem todas as Guildas da Arte Bruxa trabalham com o mesmo "frame" e, isso é importante para não desconsiderar, haja vista que não existe verdade absoluta quando se trata de bruxaria.

Primeiro porque a magia não é uma ciência exata. Feitiços e magias são construídos com estudos, praticas, por erro e acerto. É por tal motivo que se escolhe "guardar" o que funciona e "reestruturar" o que não funciona para que possa funcionar.
Mas por que não se descarta e sim, se reestrutura?
Simples, é porque em magia tudo se aproveita, tudo pode ser transformado, até a morte se transforma na reencarnação e nós sabemos que o fim é só o começo.
Logo, é errado afirmar que existe um só modo de trabalhar com bruxaria.

A filosofia dá aporte para o significado do termo "verdade". Mas os beatos só enxergam a verdade na fé e negam outros prismas da verdade. Isso não significa que não exista outras verdades sobre bruxaria e se faz mister que mestres considerem todas. Considerar (com + siderar) significa "estar com o céu".

Em Grego "verdade" é Aletheia. 
Em Latim é Veritas. 
Em Hebráico é Hemunah. 

Mas essas três formas de dizer a verdade soam diferentes em termos gramaticais e filosóficos e a mente humana não distingue o que é mito e o que é realidade, a menos que se faça uso da razão de causa e pela causa, com estudos, inclusive, da linguística para se compreender e interpretar um texto de um livro.

As possíveis verdades da feitiçaria se relacionam com a concepção grega de verdade, já que Aletheia refere-se ao que as coisas são, ignorando o que é falso. Há relação também com a terminologia latina, já que veritas, é narração, a verdade nas palavras, na linguagem. Isso se traduz muito na hora de pronunciar um encantamento, já que temos a obrigação de manter nossas palavras em boa ordem, sob o risco da magia não creditar em você, uma vez que nem você dá créditos pelo que sai de sua boca.
A regra é: mantenha as palavras em boa ordem, sob o risco de não ter força nas palavras e com isso não obter exito no empenho de um encantamento.

A confiança, tradução do termo Hebraico, Hemunah, tem ligação direta com o divino , ao que é prometido e está certo de que será cumprido. É a verdade por via de fé cega, por tanto, dogmática.

Dogmas prendem, não libertam. Dogmas limitam nossas concepções de mundo, pois são controlados pela fé, não pela razão. 
Apesar das bruxas adorarem um bom mito, ninguém vive de mito e o que funciona em nossas vidas nem sempre alcançamos por via da fé e, sim, por via de ritos repetidos (alimentação da egrégora).
É por essa razão que se colhe aquilo que se planta.

As pesquisas arqueológicas revelam que vários são os tipos de bruxarias desde que o mundo é mundo, e todas com culto, porém sem ser religião. Fazer culto é participar de uma tradição espiritual, é diferente de participar de mistérios, que é diferente de se compreender um ou mais de um mistério, que é diferente de seguir dogmas religiosos por obrigação sacerdotal de pregar tal verdade Hemunah, e por tanto, segue um constante diálogo entre si e a história com fatos, não sendo possível se fixar num único tipo, um único conceito.

Ao exemplo da bruxaria africana das Iyamis: Homens podem fazer culto para as Iyamis, mas não podem participar de seus mistérios, já que não possuem útero. Nesse mesmo sentido está a força do Phallus, encontrada tanto no homem quanto na mulher.

Para mitos, recorda os dicionários tradicionais três definições da qual a segunda é narrativa de significação simbólica, transmitida de geração em geração dentro de um determinado grupo e considerada verdadeira por ele. Esse é o uso da tradição (tradição significa entrega das chaves).
Por tanto, uma tradição se vale de símbolos próprios para existir e, o passar das décadas gera a egrégora através da repetição de seus ritos próprios.

Os sonhos se traduzem por símbolos, e sonhar é muito bruxo.
A vida se traduz por símbolos, a magia se traduz por símbolos. 
Para tudo precisa haver símbolos, pois a linguagem primeiro existiu por via simbólica, e assim funciona os poemas, os encantamentos e as narrações dos mistérios, já que mistério é algo que não se pode por em palavras, é necessário a linguagem dos símbolos para externar uma narração, como por exemplo da descida da deusa Inanna ao submundo.

Um exemplo claro do entorpecimento da compreensão da linguagem é a palavra Bárbaro. Quase todo mundo foi levado a acreditar por séculos que, bárbaro seria um briguento, lutador, guerreiro. E estão errados. Bárbaro vem de barbarói, o qual se traduz por: "aquele que não fala a mesma língua".
Agora você tem em mente a torre de Babel. rsrs

Outro uso errado da palavra é o termo paixão. Quase todo mundo usa esse termo para simbolizar que amam alguém quando dizem: "estou apaixonado por você".
Estão errados.
O termo paixão vem do latim "passio" que significa dor/sofrimento. Por isso criaram o filme Paixão de Cristo, o qual significa sofrimento dele.

É correto desapaixonar-se de tudo ao invés de viver iludido e é sobre isso que chamo atenção para o uso da linguagem na bruxaria e ao próprio termo bruxaria e seu significado nas mais variadas línguas do mundo.

Quando um sacerdote vem em público afirmar que bruxaria é religião, ele está em "passio", está apaixonado, ou seja, ele está com dor, está sofrendo por sua religião. Logo, ele não está bem e deveria desapaixonar-se dos dogmas religiosos de sua fé.

Nesse sentido, a wicca está mais para Hemunah do que para Aletheia e é aqui que ela começa se limitar. 
Não confundam tradição espiritual com religião. Gardner foi iniciado numa tradição espiritual chamada wica (com um "c" só), e como não havia religião para o culto, ele resolveu criar uma, a chamada "wicca" (com dois "c's"), já esgotadamente explicado por Charles Clark. É correto afirmar que a wicca possui só 67 anos, uma vez que antes dessa data não havia religião de bruxaria, mas tão somente os tradicionais cultos espirituais de tradições diversas.

Bruxaria é arte dos sábios e ofício de culto das mais variadas tradições espirituais existentes no mundo e a feitiçaria vem junto no pacote, já que uma não pode viver sem a outra.

A bruxaria é tradicional quando ela é praticada fora de uma religião.
A bruxaria é uma tradição espiritual (com mais de um mistério) quando se faz culto fora da religião, e por isso ela é tradicional.
A bruxaria não é tradicional quando ela é wicca porque ela é praticada dentro da religião (com dogmas). Sim, a wicca possui dogmas como qualquer outra religião.

De igual forma, o xamanismo não é religião e por isso é também bruxaria, pois é uma das várias tradições espirituais.

Existem várias religiões que contém bruxaria, a wicca é só uma delas. 
Mas...a Bruxaria é e sempre será um culto sem religião, é e sempre será expressões de tradições espirituais ligadas à magia e pela magia.
E é por isso que a Bruxaria é herética. Herege significa aquele que sabe escolher. Aquele que faz escolhas. Se você escolher uma religião que contém bruxaria, ainda assim você esta sendo herege. Todo mundo que faz escolha é um herege.

Gente, desde que inventaram a primeira religião no mundo, vemos que as religiões só causam guerras ou quase sempre promove algum tipo de discórdia.
Isso se dá por que os beatos são movidos pelo "passio". 
Em 99% dos casos, isso é tratado com um trabalho de sombra e, se não resolver deve ser tratado em divã de algum psicanalista, porque "passio" faz mal e beira loucura.

Já passou da hora de acordar e parar com isso. Líderes religiosos tentam dominar o mundo há séculos, e todos caem em descrédito, desde que a vida é uma gangorra da qual só as crianças gostam. 
Feliz é aquele que não se apresenta com síndrome de Peter Pan.

Os contos de fadas são gostosos de assistir, mas sempre serão contos de fadas. Na prática, a bruxaria é outra coisa.

A Bruxaria é Laica e devemos lutar para mantê-la Laica.
A Bruxaria é um patrimônio da humanidade e não tem dono.




Abençoados e amaldiçoados sejam! Pois não existe luz sem sombra.

Sett




quinta-feira, 30 de março de 2017

A Bússola das Bruxas




“The information about the nine foot magic circle sounds a bit false. I am very disinclined to believe it as a possible historical event. Everything in the theory points towards a laboured nineteenth century hand, inventing primitive man all over again. No twentieth century man likes to admit the possibility that it has all been done before. But in a different way with different means. However, this is literally what a witch’s compass is, a highly efficient and scientific machine, and it requires science to use it properly.

This is the Key of Kings.”

                                                                                                      
(Robert Cochrane)

Em Defesa das Bruxas - Tradicionais e Hereditárias




Vou me alongar nesse artigo porque o tema requer convicção e reflexão, para não deixar dúvidas de que SIM – Existem Bruxos Hereditários no Mundo! Graças aos deuses!

Na Itália, por exemplo, muito dos rituais públicos foram transportados para o ambiente doméstico quando as leis da Igreja-Estado se impôs contra o paganismo. Você iria para a cadeia se praticasse ritos pagãos em público no início da era cristã. Mas muitos bruxos iniciados nos mistérios desses rituais outrora públicos se recusaram a parar de praticar e de acreditar nos deuses, se recusaram a parar de alimentar as egrégoras de sua iniciação, então o vizinho não ia mesmo participar dos mistérios domésticos, desde que tudo passou a ser mantido em segredo.

Reminiscências dessas tradições sobreviveram dentro de certas famílias e alguns poucos rituais foram com o tempo sendo adaptados ao novo mundo. Isso formou, na Itália e no mundo, o que conhecemos por bruxaria hereditária. Essas famílias contribuíram com o caminho bruxo para que hoje pudéssemos pisar sobre ele. A essa ancestralidade, todos os meus respeitos e agradecimentos.

No entanto, o mundo conta hoje com uma religião feita para bruxos, por bruxos. Uma religião que tem 67 anos apenas e que alguns de seus correligionários negam a ancestralidade e a contribuição citada acima.

já existia bruxos antes da criação da religião,
bruxos sem religião e com covens
Tem surgido um crescente movimento dentre alguns representantes dessa fé, no sentido de denegrir a imagem da bruxaria tradicional e da bruxaria hereditária.

Existe bruxaria hereditária orientada por diversos modos. As que são orientadas pelo pensamento de Nietzsche possuem uma base ou alicerce em satanismo. As que são orientadas pelo pensamento de Platão são diferentes, pois possuem um fundo luciferiano. Platão era pagão e está vivo na memória dos cristãos ainda influenciando até cursos universitários de graduação, como o direito por exemplo. Os que possuem base em Aristóteles também herdou o legado de Platão, a esses soma-se o esoterismo de Julius Evola (somente o esoterismo tradicional dele) e formam a base para quase todas as stregas que trabalham com Diana e Lúcifer, igualmente luciferianos, porém o pano de fundo é do paganismo com sua raíz bruxa oriundas de iniciados nos mistérios e segredos da transformação, não de sacerdotisas.

E ainda se dizem sábios os que negam esse poder gerado por círculos de famílias que se mantiveram sigilosas por décadas. Essas pessoas nada sábias que negam esse poder, são como beatas religiosas que carecem de transformação pessoal e evolução com progresso. Algumas vivem dentro de chácaras que foram construídas de forma sagrada no início, as quais já foram depredadas em sua sacralidade original, pela própria limitação da dona atual e suas marionetisas (sacerdotisas marionetes).

Ah..., isso sempre vem de alguns religiosos, mas não são todos que agem assim. Dessa ultima vez o investimento que tenta macular outras bruxas partiu de uma mulher que vê a si mesma como sacerdotisa wiccana e, tudo o que ela disse em público no ambiente virtual configurou atos de desrespeito e violência contra a existência de bruxos hereditários e tradicionais de TODAS as guildas da Arte Bruxa, desde que a intenção dela foi a de furtar nossa autonomia, expressão livre, e nomenclatura enquanto personalidade existencial. Os atos dela revelam que ela quer se fazer dona da nomenclatura e obter para si o direito de apontar o dedo para dizer quem é e quem não é bruxa(o).

CAMI - Crafting the Art of Magic
- dois volumes sobre o movimento
da formação da bruxaria gardneriana como religião
Fico pensando se essa mulher tem outra serventia no mundo além de conseguir o Ódio do Brasil todo. Ela ocupa o lugar de uma rude inquisidora da própria “etnia espiritual”, e por isso se tornou uma “persona non grata” na sociedade bruxa, ainda que ela não tenha notado isso.

Vejam que já existem “criminosos” dentro da religião que se propõe ser para bruxas e, essas mesmas criminosas beatificadas pela deusa já estão caçando bruxas e dizendo que as bruxas legítimas, não teria direito de se chamarem bruxas, mas sim “feiticeiras operacionais”, ofendendo não somente as bruxas que se reconhecem bruxas, mas ofendendo inclusive as iyamís (bruxas africanas) que vivem no Brasil.

Não se pode reduzir uma feiticeira somente para o cabeçalho de bruxa e, da mesma forma não se pode reduzir uma bruxa somente ao título de feiticeira, pois bruxaria e feitiçaria não existe uma sem a outra.

Dorren Valiente era comprometida com a causa da Bruxaria, não da wicca
Querida, nós não agradecemos a sua desinstrução, e como não precisamos da sua aprovação para existirmos, gostaríamos de mandar você de volta ao Mobral espiritual com toda classe, mas isso não seria gentil de nossa parte, desde que somos bem mais educados que a senhora e, ainda guardamos um pouco de admiração pelos poucos serviços que realmente valeram a pena durante o tempo de atuação da sua pessoa quando vosmicê ainda era bruxa (sábia). Preciso te lembrar que Witch significa Sábio. Preciso te lembrar que Craft significa Arte e que Witch+Craft significa Arte dos Sábios, independente se esses sábios fazem feitiços, rituais ou rezam para os mesmos deuses. Sábios da Arte estudam o que lhes são transmitidos oralmente (dentro ou fora de uma família de sangue ou família espiritual). Respeite isso!!!

Não existe um controle de qualidade na bruxaria que dita regras. Nem pode existir, já que a bruxaria é um patrimônio da humanidade, nunca foi patrimônio de nenhuma religião, logo, não seria a sua religião nem a sua pessoa a se apropriar única e exclusivamente de nossa nomenclatura! Mas se te convém, dite regras dentro do seu Coven (somente). O Brasil não enxerga uma papisa da deusa na sua pessoa fora do seu querido coven.

Todos sabem o respeito que tenho por todas as religiões do mundo e esse respeito perde o direito de existir quando nossa integralidade é agredida, ofendida e desrespeitada primeiro. Tenho amigos e irmãos de arte que “adotaram” a religião criada a 67 anos atrás por Gardner e alguns chegaram a ser iniciados e são verdadeiros e respeitosos representantes do religare de orientação somente pagã celto-inglesa. À esses, meu artigo não é para vocês. Todo meu amor e respeito a Cerrydwen e Cernnunos.

Como há em todos os lugares e religiões pessoas benéficas e maléficas, não seria diferente com a criação de Gardner. Infelizmente, algumas pessoas que tem se projetado como de má índole têm investido com “dolo” contra a liberdade de expressão espiritual dentre bruxos, desrespeitando inclusive o fato de que a Bruxaria é um patrimônio da humanidade, e contra fatos não há argumentos.

Essas “violências” tem como escopo um único objetivo: Se apropriar da nomenclatura “bruxa”, “bruxo”, ou “bruxaria”, para controlar o resto do mundo. Isso vai na contra mão da lei wicca (faça o que desejar sem mal nenhum causar), pois já causaram o mal e por mais que essas pessoas foram iniciadas em wicca, já perderam o direito de serem wiccanas há tempos, haja vista que não agem como um wiccano.

Essas pessoas confundem bruxaria com religião. Bruxaria nunca foi religião!!! A sua religião é uma das várias expressões de bruxaria. A Arte Bruxa é Fluída e ela vive sem você. Por tanto não é você quem dita as regras em Bruxaria. Limite-se à sua religião e ao seu coven.



Religião não define quem se é. Aliás, quem se define se limita. Mas se a senhora é bruxa e nós somos feiticeiros operacionais, eu deveria sentir vergonha de me intitular bruxo, porque se ser bruxo é ser como a senhora, não vejo o por que continuar estreito em mentalidade como a ti. Contudo, informamos que nós somos os bruxos (sábios) do Craft, antes mesmo de existir a sua religião, goste ou não!

Antes mesmo de saber da existência de uma religião PARA bruxos, nós já éramos bruxos. Vou explicar como se a senhora tivesse 2 anos de idade para não restar dúvidas. Primeiramente você se sente bruxa, você se reconhece como bruxa e por isso quer estar junto de seus pares. A religião para bruxas foi a facilitadora de muitas reuniões entre bruxos, mas não havia ali nessas reuniões somente adeptos de sua fé, e sim bruxos e bruxas.

Deveras, há e sempre houve bruxos sem religião, pois A MAIORIA DOS BRUXOS DO MUNDO INTEIRO ENTENDE QUE NUNCA ESTIVEMOS DESCONECTADOS DE NOSSA FONTE ESPIRITUAL, por tanto, não precisamos do “religare” de nenhum tipo, desde que não é a religião que nos dá acesso aos mistérios iniciáticos e sim, os ensinamentos iniciáticos é que dão acesso aos mistérios. Ensinamentos esses que a sua religião se apropriou sem ser dona. E para ser mais exato, sua religião se apropriou somente de UM dos ensinamentos iniciáticos, não de todos.

Mas confesso que se auto afirmar como wiccano gera bem menos preconceito na sociedade do que se afirmar como bruxo. Lá fora, é mais bonitinho dizer “oi sou wiccano”, soa menos “pesado” aos ouvidos de um chefe de uma empresa e poupa o funcionário de uma injusta e preconceituosa demissão, principalmente se o patrão for evangélico. O nome da religião ajuda de certa forma romper preconceitos, e o mesmo deveria fazer os iniciados nela, ao invés de atentar contra a vida e a forma de expressão libertária do sentimento bruxo.

O ato dessa beata ofende não só a nós bruxos hereditários, mas ofende principalmente a MEMÓRIA do Museu de Bruxaria de Boscastle, Salém, entre outros, ofende a memória de George Pickingill, ofende a memória da avó do Alex Sanders, ofende a memória da família de bruxas hereditárias da Eleonor Bone, ofende a memória da linhagem de bruxaria hereditária de Dorothy Clutterbuckque, a qual iniciou o próprio Gardner (antes dele inventar a wicca que conhecemos), ofende as terras de Benevento, ofende a memória do Raven Grimassi que já estava na arte bruxa antes da senhora abandonar a umbanda.

É preciso deixar claro aqui, que Gardner acreditou ter sido iniciado numa tradição de bruxaria religiosa, mas não era religião. Tanto é verdade que ele em pessoa teve de inventar a religião, pois antes não existia porque a wica não era religião. A Wica só virou religião Wicca com o Gardner.

A senhora ofende a memória de todos os bruxos hereditários, os quais já existiam no mundo antes do Gerald B. Gardner nascer, os quais prepararam o caminho para que a bruxaria se tornasse o que se tornou. Sem os bruxos hereditários, não haveria nem a Wicca. Será que vosmicê é realmente digna da iniciação que recebeu nessa religião? Ou será que a religião em vossas mãos irá se degradar? No mínimo, limite-se a não falar de bruxaria hereditária, pois é um assunto que a senhora não domina porque não nasceu em uma e pelo visto, nem ensinando a senhora aprende.

Por que eu sou um bruxo?
- entrevista com Alex Sanders (bruxo tradicional e depois wicca)
É bem verdade que as “Trad Fam” (tradições familiares) eram desorganizadas e com meia dúzia de materiais somente, igual a wica que Gardner conheceu. Isso foi, inclusive, a causa e o motivo de ter levado o velho Gardner a organizar os materiais iniciáticos e dar uma nova cara, a cara de uma religião PARA bruxos. Leia-se nas entre linhas a real intenção do velho, ou seja, a de preservar uma das artes bruxas que ele conheceu, eu disse UMA, já que ele mesmo reconheceu que haviam outras.

Tão estranhamente foi a repercussão dos atos dele na época, que gerou animosidades entre os clãs de Roy Bowers e os seguidores de Gardner na época, já que a Arte Bruxa é fluída e não existe unicamente um só modo de se praticar bruxaria. É muita arrogância e prepotência da sua parte querer impor um limite para uma arte sem nome, a qual não pode ter um nome só ou uma só forma de expressão, desde que a Witch Mother também possui mais de 10 mil nomes e Elphame já existia antes de Summerland.

Apesar disso, queremos ter a certeza de que a senhora sabe o que está atraindo para si e que não seja, para o seu bem, alguém como aquele fã do John Lennon, pois nos preocupamos e queremos ver o bem estar de todas as Bruxas e Bruxos, uma vez que o nosso propósito está vinculado ao próprio desígnio da bruxaria e a nossa segurança vital. Mas pare para perceber o que vocês estão atraindo para si mesmos.

Não achamos justo quando uma de nós aponta o dedo para outro, principalmente para bruxos de um Brasil que ama o boitatá e descontemplou o seu alfarrábio.

E antes que aleguem que estamos desrespeitando, faço lembrar que a verdade dos fatos revela quem primeiro deu causa a nossa defesa. A mesma liberdade de expressão usada pela sua pessoa para nos opor, é a mesma liberdade de expressão usada por nós para nos defender de suas alegações. Aqui somos uma voz representando muitas outras, pois antes de conhecermos a sua reconsagração do ventre e do phallus, já éramos bruxos HEREDITARIOS, já existíamos e vamos continuar existindo, desde que o mesmo direito que damos a ti para usar a nomenclatura como bruxos, nós já tínhamos e sempre teremos, haja vista que não é uma religião que faz um bruxo. E como todos podem ver, não é religião que fornece qualidade, pois se assim fosse, estaríamos honrados com suas falácias, o que não é o caso. A sua religião já causou muito mal desde que nasceu, porque é limitada e não contém nem um terço de bruxaria de verdade nela. 

Doreen Valiente reconhecendo o Voodoo
como uma das várias formas de bruxaria

A mesma mama Brigida do Vodu, é a mesma deusa celta Brigit.
A Deusa não mora numa religião e você não é proprietária da Deusa, nem do diabo. Limite-se como proprietária somente daquilo que seu dinheiro pode comprar.

A religião faz uma fé, mas a Arte Bruxa faz um bruxo, nós carregamos a bruxaria na alma em todas as reencarnações e sempre seremos bruxos, feiticeiros e magos seja por qual vida nossa alma passar. Minha mãe é uma bruxa hereditária, meu filho é um bruxo hereditário, e ninguém, nem a senhora vai ditar regras caricatas de proibição da nomenclatura.

Aqui eu me somo a todos os demais bruxos e bruxas hereditárias e Tradicionais do mundo todo para denunciar o crime preconceituoso e descabido contra nós todos. Essa perseguição contra nossa nomenclatura e posição na arte bruxa, tem que acabar, pois somos mais bruxos no mundo do que pode haver numa religião, até porque, o status da religião não ajuda muito devido aos muitos desagrados que já ocorreu em nosso país envolvendo a religião.

(somos mais bruxos do que uma religião. Percebe que somos nós bruxos que fazemos a religião? E da mesma forma podemos acabar com ela, mas deixamos essa função pra vocês mesmos, já que fazem isso tão bem).

Vejam, uma bruxa é alguém que anda na mão dos fluxos sazonais, os quais orientam a forma de trabalho e só conseguem resultados através desse fluxo. Os feiticeiros também fazem isso, porém, feiticeiros PODEM andar no contra fluxo sazonal e obter ótimos resultados nos trabalhos mágicos. Então por mais que vocês tentem denegrir os feiticeiros tentando retirar o título de bruxos, são os feiticeiros quem detém o poder de transformação. Muitos feiticeiros são igualmente bruxos/sábios.



O papel do mago é desempenhado por ambos, bruxos e feiticeiros, quando estudam a magia (alta, baixa, cerimonial, Elemental, natural, etc.), inclusive estudam a magia praticada nos mais diversos países graças aos bons livros de historiadores, ocultistas e, arqueólogos, as quais movimentam forças e inteligências naturais invisíveis ou não, todas energias manipuladas entre vivos e mortos. Há quem diga que magos são os que operam magia através de uma mesa radionica. Há os que dizem que mago é somente o 2º grau do sacerdócio de sua religião, mas antes de mais nada, magus é quem manipula energia de qualquer natureza.

Bruxaria vem de Witch + Craft = arte sábia, isso soma um estudo, uma pratica, e um ofício. Todo sábio que sabe o conteúdo do Craft é um bruxo(a). Alguns tem poder espiritual e mediúnico, tal como são as benzedeiras, mesmo que elas não se intitulem bruxas, elas são uma das várias ‘espécies’ (para não falar tipos) de bruxas.

Na era cristã quem deu o titulo de bruxas para nós todos foi a igreja. Contudo, nós sabemos que o termo ‘bruxa’ já era usado antes de Medeia, e olha que nem havia wicca naquela época. Qualquer pessoa que se devociona e tira/recebe poder de um Deus (ou deusa), ou até do diabo, é um bruxo. Igualmente, qualquer pessoa que tenha um dom na alma, um dom de manipular energias e conjurar espíritos que os obedecem ou interagem, é um bruxo. Qualquer pessoa que tenha poder pra exorcizar, limpar o mal e/ou fazer o mal, abençoar ou amaldiçoar, é um bruxo, tenha ele religião ou não.

Se você dobra seus joelhos e reza aos pés de um carvalho e ele te dá poder de alguma forma, você é um bruxo também. Bruxos(as) são receptáculos de poderes, dons ou seja lá o nome que queiram dar a isso. Temos o poder pessoal, os centros de poder do corpo, e somos “conduítes” de energia canalizada e catalisada, podendo ou não mover tais energias a bel prazer.

bruxas Bascas de linhagem hereditária
Então temos no mundo bruxas de orientação jaínas hindu, basca, bruxas de orientação wiccana inglesa, bruxas de orientação religiosa ou não, bruxas de orientação feminista ou não, e todas são bruxas, bem como temos stregas de todas as vertentes. Perceba o amplo espectro de liberdade que estamos dando as bruxas, para que ninguém no mundo possa reduzir o poder de uma bruxa nem mesmo no direito do uso da nomenclatura. Só mesmo um comedor de arroz e feijão com pensamentos mesquinhos teria a coragem de se opor a isso. A própria bruxa de Endor era uma refugiada babilônica que adotou sua casa num bairro de Israel e abraçou alguns dos costumes judaicos para sobreviver àqueles tempos, e ela não tinha religião. Cada bruxa sabe de onde ela tira poder pra usar.

O gozado é que quando a água bate na bunda, é no candomblé que essas bruxinhas vem pedir arrego. Sei disso porque já fiz laboratório em diversas religiões. Mas, as bruxas de verdade não precisam nem do candomblé nem de religião alguma. Sua pessoa deve estar se perguntando: Por que não precisam de religião? Esse é o segredo do qual a sua pessoa se distanciou e por isso não sabe o porquê.

entrevista de Robert Chrocane dada a revista Pentagram

Heródias também era uma bruxa no tempo de Ioshua e, não era wiccana. O mesmo aconteceu com a amante de Ulisses, a bruxa Circe que só podia ser derrotada pelo alium nigrum.

Ao que nos consta, Morgana Le Fey, sendo mito ou não, é uma personagem que não tinha religião, mas sim, tradição espiritual.

A menos que a senhora queira ir tão longe com sua prepotência a fim de querer acabar com os mitos, não acho que a sua sabedoria iria aprovar os seus próprios atos se estivesse na pele de outra bruxa que não uma wiccana.

Famílias inteiras de bruxas hereditárias existem em várias partes do mundo a serviço das vidas e sua comunidade tal como instruções de saúde tanto na África, quanto regiões distantes da Escócia, Irlanda e País de Gales, províncias insulares como Bali, país Basco e, Itália, Brasil entre outros.

Outro fato não menos importante a ser reconhecido e respeitado é o fato da herança (igual na genética, igual no espírito). Herdamos doenças na coluna, olhos, ossos, sangue etc, herdamos qualidades e virtudes, mas também vícios. E porque não herdar dons do espírito? E por que não herdar dons de nossos ancestrais? Você pode não concordar com isso, mas deve deixar o nosso direito existir e você deve respeitar isso pela própria formação que tem. Não mexa nos nossos credos. Todo mundo tem o direito de acreditar no sangue que possui, o sangue bruxo, seja dado por Lilith, ou pelo Saci, todos tem esse direito e a sua pessoa infringiu publicamente a lei constitucional de fé.

Mas por que tanta bruxa tem medo de confiar na sua herança mágico-espiritual? É porque existem pessoas que, como você, não tem poder de conhecimento de causa nem experiência e mesmo assim julgaram essas bruxas como não-bruxas. Quem é você para tirar de alguém uma coisa que não te pertence? O direito é nosso! A nomenclatura bruxa é nossa, é patrimônio da humanidade, pois se não fosse, o museu de bruxaria seria chamado museu da wicca, ao invés de museu da bruxaria.

A wicca é uma religião que CONTÉM bruxaria, só isso. Ela não é A Bruxaria toda. Acorda pra vida meu bem.

Percebe que a wicca é uma mera parte do que existe como bruxaria? A wicca é uma religião que não tem nem um terço de bruxaria total nela. A wicca tem somente a condição que o Gardner quis colocar na religião, porque na época dele não havia internet e ele não podia se comunicar com todo tipo de bruxos que existe no mundo e ele se limitava aos jornais como o ‘Pentagram’ e alguns outros poucos.

Quais foram os livros sobre bruxaria e de bruxaria que deram acesso às leituras do Gardner em sua época? Todo o esoterismo e magia que ele teve acesso, hoje todos têm acesso livre igualmente, inclusive já tem publico bruxo suficiente para fazer o mesmo reconstrucionismo que o Gardner fez com a feitiçaria que ele conheceu, desde iniciações entre linhagens de bruxas até a simples pergunta de quem iniciou o primeiro bruxo que existiu no mundo. O ovo ou a galinha? A vassoura ou a varinha?

um relato sobre a arte hereditária de Valiente e Chrocane - revista Pentagram/1964


Você tem útero, ótimo, mas seu útero sem o sêmen fálico serve de que naturalmente? Ninguém nasce naturalmente de um tubo de ensaio! Não me venha com lendas, justificar um poder que você não tem. Então, para não ser humilhada, não humilhe. O homem não é menos importante que a mulher, ambos são complementos, e feminismo não é bruxaria, é uma luta pelo poder da igualdade entre polaridades e tem fundo político.

Somos muito julgados por outros membros da arte bruxa wiccana, de forma gratuita e desproporcional. Somos muito julgados por membros da comunidade mágica que nossas mães, avós, pais e ancestrais ajudaram a pavimentar o caminho para.

Quando vocês wiccanos enchem a boca para falar dos ancestrais e rezar para eles, vocês não estão falando e rezando pra wiccanos, e sim para ancestrais bruxos. Elphame sabe disso e nós também.

Então, o que de fato faz uma bruxa hereditária ser uma bruxa? Certamente não é o paganismo, não é o cristianismo e não são os wiccanos. Bruxas podem ser druidas, macumbeiras, wiccanas, Shamãs ou simplesmente bruxas. Essa última é somente bruxa. É bruxa, vive como uma bruxa, se esconde e se mostra como uma bruxa, tem liberdade de bruxa, faz rituais, feitiços, magias, rezas, curas e maldições como uma bruxa e, também abençoa como uma bruxa.

Os que já leram A Cidade antiga – de Fustel de Colanges sabem bem que sempre existiram bruxas e que principalmente a Arte Bruxa original era hereditária, e os bruxos tradicionais foram bruxas (desgarradas) e iniciadas por um hereditário de alguma família e, por tanto, essa bruxa tradicional não podia se dizer hereditária, porque não nasceu numa família bruxa, mas espiritualmente e esotericamente foi iniciada por uma e a isso se deu a terminologia de bruxa (a que é tradicional) a qual detém o direito de iniciar outros, uma vez que, dentro dos clãs familiares os ritos de iniciação feito por uma mãe ao seu filho não precisa necessariamente ter o rito formal idêntico para tal.

A tradição dos grandes ocultistas e grandes esotéricos da antiguidade também fabricaram bruxos e, esses são tradicionais porque os estudos foram sobre tradicionalidade e ocultismo tradicional, magia tradicional etc. E aqui entre nós, eles foram os caras!! Não há ninguém mais renomado no mundo sobre magia tradicional e todo seu ocultismo/esoterismo do que René Guenón. Não há nada mais tradicional do que a Tábua de esmeralda para guiar um caminho espiritual. Todo mundo já leu os livros deles e aprenderam muito com eles. Livros são apoios mágicos de qualquer bruxa, não é à toa que escritores brotam aos montes. Sempre tem uma linha de apoio dentro de uma página.

Ritos formais de iniciação com transmissão de poder só tem necessidade de existir quando se vai iniciar alguém de fora da família hereditária, desde que, bruxos hereditários dão muito valor ao poder do sangue.

bruxaria hereditária em 1964 - The Pentagram

Mimeticamente se copia a intenção mágico-espiritual para que a iniciação tenha validade fora da família. A neófita (que já se reconhece [espiritualmente falando] como bruxa) procura uma iniciação para se orientar em seu caminho e comungar com os nossos ancestrais que estão em Elphame. Nunca é o contrário do tipo que se busca uma iniciação para se tornar uma bruxa. Dessa forma, a pessoa de fora da família de sangue hereditário, passa ser uma bruxa tradicional tendo como sua mãe espiritual a sua iniciadora, e tendo como suas filhas espirituais as suas iniciadas. Isso forma mimeticamente uma família espiritual de bruxas, uma cópia da família hereditária de bruxas, as quais são reconhecidas, pelos ritos, como iguais.

A iniciação em bruxaria só tem razão de existir fora de uma família biológica de bruxas hereditárias, para tornar tradicionais as bruxas naturais que precisam de orientação dos ancestrais para seu caminho. Por tanto, ser bruxa é um dom (gift) divino que se traz na alma e no espírito, pois mesmo antes de uma iniciação você já sabe que tem certos poderes em ti e que não sabe controlar, já que precisa de treinamento em alguma vertente da arte, a fim de conduzir seu destino e não se auto-destruir com o próprio “gift” divino por não saber lidar com isso. Toda bruxa precisa do egresso e do regresso, e assim da comunhão com os ancestrais, e os iguais se atraem, se reconhecem, se amam novamente. Quem junta os “iguais” são o povo de Elphame, pelo próprio vínculo espiritual que nunca se rompe. Quem nega a entrada de um bruxo em uma religião ou irmandade são pessoas, quem traz bruxos(as) até essas pessoas são os deuses. Cada um paga por si o “karma” que gera, ao aceitar e ao recusar. Não somos nós quem decidimos quem se junta e quem não se junta. Respeitemos o poder da reencarnação. Sejamos humildes pra dar exemplos.

Uma iniciação tem que servir primeiro para o seu caminho. Tem que transformar você numa pessoa melhor, para que você crie outras pessoas melhores no mundo, pessoas que podem curar e transformar o mundo ao invés de destruir a imagem da bruxaria. A bruxaria é uma herança espiritual de todos nós que se reconhece como bruxos, independente se usamos o frame da Clavícula samolonis ou não. Independente se lançamos o círculo da forma que fazia a Golden Down, a qual copiou os serviços da Clavícula igualmente da forma que Gardner fez.

Circulo, exorcismo do sal e da água, conjurações e invocações, triângulos mágicos, guardiães dos quadrantes e geração de poder são todas formas e formatos ditados pela Clavícula de Salomão e outros grimórios antigos que foram legados aos bruxos pelos fodões ocultistas da idade média ou anterior a ela. Se minha bisavó ou a sua copiou algum desses serviços, ela não fez mais do que a obrigação.

Hoje em dia tem muito conhecimento gravado em livros e na internet, conhecimento que se aproveitam porque tudo já foi publicado, basta reunir as informações. Qualquer bruxa pode montar seus próprios grimórios e legar ele ao seu filho e sua geração posterior. O mesmo acontecia antes de surgir a internet. Cada clã reunia seus próprios materiais e criavam também, porque bruxas criam, é o que uma bruxa faz.

Quando você ver uma bruxinha criar (na internet), ao invés de criticar ela negativamente, acolha ela, ensine-a, dê-lhe meios para criar mais sabiamente para melhorar ela ao invés de chamá-la de “Pink”.

A BRUXARIA É PARA UM ARQUITETO, O QUE A FEITIÇARIA É PARA O MESTRE DE OBRAS!

O arquiteto sabe criar e fornece ideologia, o mestre de obras constrói para criar. A bruxaria é sabedoria/conhecimento/estudos de certa tradição guardiã; a feitiçaria é a manipulação e transformação dessa sabedoria/conhecimento/estudos (para coisas, situações e pessoas), e uma não pode existir sem a outra, sob o risco de ficar manca.

E as duas juntas formam a magia transmitida no sangue bruxo, herança da humanidade.

Não existe planeta terra sem bruxas e bruxos, mas a wicca tem só 67 anos de idade e tem servido para algumas bruxas como religião para orientar o caminho. Entendam que bruxos wiccanos são bruxos que adotaram uma religião (iniciatica) para si, mas existem outros bruxos que não querem adotar uma religião para si. Não querem orientar seu caminho pelo esoterismo oferecido pela wicca, porque não tem somente a wicca para oferecer escola iniciática e mistérica para orientar o caminho das bruxas.

Se não houver respeito entre Wiccanos E BRUXOS (de todos os tipos) a tendência da wicca é virar a mola propulsora para um grande câncer na humanidade, com causa dada por alguns de seus representantes que atuam como ditadores.

Carga da Deusa original de Doreen Valiente


Quando Doreen Valiente criou a Carga da Deusa, no texto original ela deixa bem claro a palavra “sorcerers”, ela não escreveu “witches” e todo wiccano tradicional sabe disso. Sorcerers se traduz por feiticeiras. Então é desproporcional dizer que as bruxas que não tem religião são feiticeiras ao invés de bruxas.

Você vai negar o poder que os filhos dos Sanders carregam no Sangue?
Você vai negar o poder que os filhos do casal Cochrane carregam no sangue?
Você vai negar o poder hereditário que gerou Eleonor Bone antes dela se tornar wiccana?
Você vai negar o poder que todo filho de uma bruxa que sempre se reconheceu bruxa carrega em seu sangue?
Você vai negar o sangue de uma bruxa necromante? (uma bruxa que se orienta pela necromancia).
Você vai negar o poder que toda Strega passou através do sangue para sua descendência?
Que raio de bruxa é você se negar o poder do sangue?

Você vai negar o sangue de um bruxo que não se orienta pelo feminismo, mas tem o direito de ter voz na bruxaria igualmente porque sabe o que está falando? Um magister, um mago, um Bruxo.

Altar da religião - descrito por Gardner com a letra dele


Na wicca o mago é quem tem o segundo grau. Mas fora da wicca existem outros mistérios que fazem um mago se tornar um magus.

Digam NÃO à incoerência! Digam NÃO à esse furto e apropriação da nomenclatura bruxa. A bruxaria é para todos, mas nem todos no mundo são bruxos, porque não existem só bruxos no mundo. A Wicca não é para todos, é só para quem tem afinidade com quem pode transmitir a linhagem de uma religião feita PARA alguns bruxos que gostam e precisam do Religare. E quanto a isso, tudo bem para nós! Não temos nada contra.

Não deem ibope para quem quer fazer parecer que a Wicca é mais importante que a própria bruxaria e que tem mais a oferecer do que a própria bruxaria. A Wicca é uma religião que CONTEM bruxaria, mas não o todo de uma Arte Bruxa que possui mais de 10 mil nomes em países diferentes, com costumes diferentes, esoterismos diferentes (eu não disse exosterismo), deuses diferentes, “diabos e deuses” diferentes, templos diferentes, liturgias diferentes, mistérios próprios que não se igualam, mas levam a Elphame da mesma forma.

afirmar que a arte bruxa era uma antiga religião resgatada era
a forma mais fácil de fazer a bruxaria ser aceita na sociedade dos anos 60 - arquivo The Waxing Moon



Hekau para todos os bruxos(as)!


A Fogueira que Não Queima Serve, A que Queima Vive


Bruxas queimando bruxas - Cena de AHS - Covens

Bem que poderia ser somente uma cena de AHS, mas o que vou narrar é algo real.

Eu queria que houvesse uma maneira mais doce de dizer tudo isso, sem causar ofensas ou impacto de nenhum tipo, afinal, faça tudo sem causar prejuízo é uma das leis, mas tem tanta gente causando mal (estar), prejuízos do tipo inquisição disfarçada, líderes religiosos se levantando e usando a religião para ditar regras e institucionalizar a bruxaria, que não percebem o mal que estão fazendo contra a bruxaria que eles tanto defendem. Pessoas que quando abrem a boca ofendem a existência dos nossos antepassados.

Nossos antepassados sim sabem o que é sofrer, eles abriram caminho para que a bruxaria que conhecemos hoje se tornasse livre (ou quase livre), mas o que vemos são lideres religiosos agindo como beatas, investindo contra a honra de ser livre, oprimindo a própria raça e etnia bruxa.

Mas Quem iniciou o primeiro bruxo mesmo?
De onde esses líderes religiosos vieram e como vieram parar na bruxaria?
Como se tornaram autoridade espiritual e como eles tem usado essa autoridade?
E principalmente, como eles estão queimando a imagem deles mesmos e queimando a imagem da religião que os acolheu para serem mais um?

Nós sabemos de tudo. Antes mesmo deles se levantarem como bruxos na internet, nós já éramos bruxos. Antes de alguns de nós participarem das várias “reconsagrações” deles, nós já éramos bruxos. Aliás, foi por nós darmos crédito à eles, é que nos aproximamos deles na época. Mas já provaram o próprio desvalio muitas vezes, e principalmente, provaram que não sabem nada de bruxaria e que bruxaria (para eles) é só aquilo que eles pensam que a bruxaria é.

Vocês se lembram do propósito de Gardner quando ele quis criar uma religião para bruxos? A religião criada há 67 aos atrás, tinha o propósito de juntar bruxos que não tinham religião. Tinha o propósito de guardar os poucos mistérios que Gardner havia tido contato, para não se perder mais no tempo. Tinha o propósito de lutar contra a opressão judaico-cristã e puritana. Mas Gardner estava longe de tornar livres as bruxas. Livres das próprias concepções limitadoras impostas pela fé.

A religião e a política são os dois pilares que sustentam a sociedade. E quando um líder religioso se levanta para ditar regras, as ovelhas seguem as regras como beatas, se esquecendo da liberdade alheia e automaticamente se opondo a todo o resto.
Porém, a bruxa é a "marginalizada" porque vive na margem da sociedade. E é aqui que não precisamos dos dois pilares que sustentam o mundo.

A única lei proibitiva da bruxaria é: É PROIBIDO APONTAR O DEDO PARA AFIRMAR QUEM É E QUEM NÃO É BRUXO.

Se seu mestre ou mestra faz isso, corram léguas porque ele ou ela se perdeu dentro do ego e não tem nada esotérico ou transformador para lhe ensinar. De que adianta alguém lhe ensinar um mistério se nem essa pessoa sabe o que significa aquilo que aprendeu? Bem, isso não me parece nenhum pouco um trabalho sério.

A única lei incentivadora da Bruxaria é: Somar sempre, subtrair nunca!

Podemos nos desvincular de alguns iniciados nossos, e nos comportar como parentes distantes, mas nunca retirar deles o que lhes foi dado. Só existe um tipo de planta que retira uma iniciação, uma espécie de orquídea branca, mas quem DECIDE realmente apagar ou não a sabedoria de um iniciado é ELPHAME. Não nos cabe decidir e apontar quem é bruxo e quem não é.

Somente uma pessoa arrogante e nada sábia tomaria a atitude de apontar o dedo em público para desqualificar um bruxo.

Witch+Craft = Arte Sábia. Qualquer pessoa com estudos suficientes sobre bruxaria de toda ou de qualquer espécie, que tome ciência realmente da amplitude da arte e de como ela é fluída, é um bruxo. Qualquer pessoa que tem o dom de benzer (abençoar ou amaldiçoar) é uma bruxa. Qualquer pessoa que detém dons naturais é uma bruxa. Qualquer pessoa que consiga conjurar um espírito facilmente e naturalmente é uma bruxa.

Há um grande abismo entre ser um sacerdote e um bruxo. Um bruxo também pode se tornar um sacerdote, e/ou um magister. Mas antes de tudo ele é um bruxo. Não é a fé que te torna bruxo. O próprio Gardner reconheceu isso quando copiou os usos goéticos para que seus iniciados fizessem uso.

Imagem do BAM - Book Art Magick do Gerald B. Gardner sobre o uso dos sacrifícios


Devemos sim cobrar pelo ofício porque ofício significa trabalho e todo trabalho tem que ter sua remuneração, ninguém trabalha de graça e tudo na Arte Bruxa é uma troca ou tem uma troca, haja vista as oferendas em troca de algo. 
Se você exerce seu ofício em prol de contribuir com alguém ou alguma causa, você deve ser pago e reconhecido pelo que fez. Só não cobre dinheiro por iniciações e pelo ensino da bruxaria, mas pelos trabalhos cobre, e cobre caro, porque funciona. Se você não der valor para os seus poderes, ninguém dará e você perderá seu repositório. Seus dons não foram dados de graça, você, em alguma vida passada investiu neles, se sacrificou por eles, você despertou eles e sua alma é a fonte de ligação entre o seu investimento e Elphame.

Antes de mais nada guardem bem isso:
Enquanto você agir como opositor, sempre está acreditando no bem e no mal. Isso vai na contra mão de um pagão que não se consola com o pensamento da dualidade bem X mal.

Quando se trata de muitos exércitos pisando contra uma pessoa, ela sempre será oprimida. Viva e deixe viver. Ninguém deveria se levantar dentro da bruxaria para oprimir outros bruxos. Isso prejudica pessoas. Faça o que desejar sem mal nenhum causar, mas... quanto mal já causaram? Quantas bruxas foram e ainda são perseguidas pelas próprias wiccas? E para que?

Pare para pensar....Qual é o propósito de um wiccan afirmar que aquele outro não é bruxo? O único propósito de alguém fazer isso é manipulação pelo poder e status. Essa pessoa que se levanta para institucionalizar a bruxaria está manipulando seus “baba-ovo” contra o resto dos bruxos que existem no mundo. Esses devem acordar e deixar de ser peões. Caso contrário só provam que estão atrás de linhagem e fama. E isso vai na contra mão de um trabalho iniciático sério. Quanto mais iniciados desse tipo houver no mundo, pior fica o mundo.

Alguém já se perguntou o por que sua mãe te mandava experimentar e comer o jiló sabendo que você não gostava? Agora pegue esse mesmo pensamento de oposição e transporte para o âmbito sexual. Então você vai se perguntar se deveria aceitar a proposta de namoro e/ou sexo com aquela pessoa que você não gosta ou não sente nada porque pra você ela é como um jiló. A transformação acontece quando você para de ter resistência com aquilo que você não gosta e passa a ver beleza aonde você não via nem sentia antes. Esse é um dos exercícios de transformação. Não é falsidade quando se tem o empenho de se auto transformar para oferecer mais e ganhar prismas mais amplos, deixando sua limitação no passado.

Isso é um trabalho de Sombras e, é completamente modificador, isso é um dos trabalhos sérios que cada iniciado deveria estar fazendo consigo sem nunca ficar pendurado no facebook ditando regras de controle e aliciando bruxos, instigando bruxos contra outros como se fossem donos de pitbull atiçando eles contra o resto do mundo, manipulando seus pensamentos contra o resto da bruxaria que não tem nem precisa de uma religião. Quando você muda por dentro, todo o seu exterior muda junto.

Nós vemos poder fora da religião! Por isso as bruxas são perigosas. Porém, as bruxas que tem religião vêem poder somente na força que ela tira da religião e de sua fé. Nada mais. Nós respeitamos isso, mas vocês não nos respeitam, e é a isso que somo a minha voz a de muitos.

Digam NÃO a opressão.

Isso também cura a necessidade de aprovação alheia, pois tem gente que beira o extremo para se projetar no mundo e exigir que a gente a reconheça como a porta-voz da deusa na Terra. Isso é método de controle, desfiliem-se disso. Saia da caixinha, saia das brumas de Avalon.
Usei esse exemplo para abordar a ação de um opositor que não oferece libertação nem pra si mesmo, nem para outros, e vocês vão entender já já.
Então o que temos aqui?

Pessoas que andam “pregando” ou incentivando mulheres que não tinham se reconhecido como bruxas até então, mas estão se descobrindo, e saõ incentivadas a reconhecerem e celebrarem sua divindade feminina interior, pois junto dessa ideia e incentivo vem a promessa de que fará delas uma bruxa ou no mínimo uma pagã. Mas essas mesmas pessoas nos negam o direito de reconhecermos a nós mesmos como bruxos, sendo que somos hereditários por linhagem de sangue. 

Então a pergunta é: Quem aqui elegeu essas pessoas para serem o controle de qualidade da bruxaria?

O que faz essas pessoas pensarem que podem ditar regras onde elas não mandam?

A resposta é EGO e necessidade de controlar todos nós.

Imagem do BAM - Book Art Magick do Gerald B. Gardner
sobre o uso da Goetia e de outras artes mágicas


Mas uma bruxa ou um bruxo sabe na alma que são bruxos e quem realmente são os bruxos/sábios. Quando a pessoa desperta ela simplesmente sabe. Por tanto, não permitam que nenhum comedor de arroz e feijão aponte quem não é bruxo(a) e quem é bruxo(a). Cada bruxo(a) se reconhece a si mesmo(a) como bruxo(a) e só sua alma sabe dizer o que você é.

Posar de bruxo não faz ninguém ser bruxo.
Mesmo assim há pessoas se dizendo iniciadas apontando o dedo inquisidor sobre o Brasil que se reconhece bruxo.
Todavia, de nada serve uma pessoa com iniciação, se a iniciação não vestiu a pessoa. O que vemos por ai são pessoas usando títulos de iniciados para controlar outros pensamentos ao invés de libertá-los.

O mesmo é dito sobre o fato de que nada serve uma sacerdotisa da Terra se ela escolhe somente uns para “curar” em detrimento do resto do mundo, onde ela mesma causa dor e sofrimento.

Estamos vivendo tempos de crise no Brasil, onde nossa política da aposentadoria está se distanciando do propósito do bem estar nacional, temos tantos problemas no Brasil pra se ocupar, não precisamos estar aqui escrevendo artigos para abrir os olhos de ninguém, mas graças a meia dúzia que se levantaram como opositores da própria causa, estamos aqui fazendo o bem estar existir novamente.

Somos comprometidos com a causa da Bruxaria! E isso basta. Se alguém se levantar para te denegrir de forma a afirmar que você é um mero feiticeiro operacional ou folclórico sem que você se sinta assim, sem que você se veja assim, e sem que você se auto reconheça como tal, isso é opressão. Isso atenta contra a liberdade de expressão de quem somos. Denunciem às autoridades e aproveitem as leis severas que nos servem pra isso, já que TODO e quaisquer pessoas que promovem opressão são TAMBÉM um criminoso. E denunciem pros seus iniciadores também para que eles vejam a merda que fizeram quando fracassaram ao criar um sábio (bruxo).

A MASTER AND ELDER MUST CANCEL THE LINEAGE GIVEN TO THOSE WHO ARE NOT PROVING THAT THEY DESERVE IT.

Se ainda assim não resolver, abram processos contra essas pessoas que tolhem sua liberdade de expressão. Não é uma religião que faz um bruxo. Uma religião fabrica religiosos. Já éramos bruxos antes de haver uma religião. Essa religião é só uma das inúmeras fontes de expressão da Arte Bruxa, e nenhum bruxo que se digne irá dar poder à uma religião cujos sacerdotes se erguem com um único objetivo, o de oprimir os bruxos que não querem religião.

A dor humana é real e todo mundo (até mesmo os chatos) tem direito de ser bem tratado por uma Bruxa. É isso que será cobrado dos iniciados, a cura e libertação (de dogmas, preconceitos e soberba).

Então você não serve pra nada se não pode curar a si mesma enquanto se mantém com o pensamento de ser a oposição de irmãos de Arte, porque nesse sentido, você se coloca como a certa, e todo o resto é o jiló. E bem sabemos que a coisa não é bem assim na realidade. Logo vemos o ego de cada um e de igual forma podemos ver quem está realmente aplicando a iniciação na sua vida e quem usa o título de iniciado para ficar causando intrigas no facebook. Isso não contribui em nada e devemos nos afastar dessas pessoas temporariamente, pelo menos até o tempo da transformação dela chegar e fazer dela uma bruxa de fato (um ser melhor).

Se opor a minoria ou maioria não é oposição que se digne. Oposição que se digne é uma oposição à qualquer tipo de governo inquisidor, seja um governo de um país, seja o governo de um representante religioso dentro de um país. 



Você não PODE destituir um bruxo de seu título de bruxo quando:
1 – não foi você que o iniciou;
2- o bruxo se reconhece bruxo antes de conhecer outros;

Tem gente que vê poder onde não tem e sinceramente eu não vejo poder em disputas e propósitos egoístas. Não foi por causa disso que o período matriarcal acabou? Não foi por causa disso que Atlântida desapareceu? Não foi por causa disso que a Golden Down deixou de existir? Irmandades e religiões se auto projetam o tempo todo e eles mesmos abrem falência de seus métodos. Nesse sentido assemelha-se que o ser humano é menor do que parece. Humanos endeusam sacerdotes para depois mata-los quando já não servem mais. O perigo de se auto projetar no mundo como o líder de uma categoria de bruxas, é a queda. Muitos estão endividados até as calças para não perder o posto com dignidade. As feiras bruxas falam por si. Mas a criatura continua se opondo contra o próprio propósito da Arte Bruxa. Não dá pra entender o porquê um asno ganha poderes para ser um Bode, e continua sendo um asno. Só uma resposta: Não sabe usar o poder de transformação. Esse sim não parece ser um bruxo.

Sem propósito isso.

Então leitores, escolham bem a quem vocês dão palco, pois essas pessoas só tem poder porque vocês dão poder a elas. Saiam de cena e deixe elas falarem para ninguém, ai vocês vão ver essas pessoas que tem o cérebro nas entranhas caírem na real.



Não estamos aqui nos opondo veementemente nem sendo oposição dessas pessoas e suas convicções religiosas, apenas estamos manifestando a indignação e o desapontamento com relação ao pensamento de uma mulher e um homem que já foram capaz de contribuir de alguma forma com a sociedade bruxa no passado, mas que agora parece ter se perdido no caminho da fama e da nutella.

Num tempo onde nossos iguais sobreviveram a era das fogueiras, é preciso todo cuidado e juízo para que nossos diferentes não repitam a perseguição, disfarçados de iguais. 


Passe bem