As Moradas da Lua


A imagem abaixo refere-se às mansões lunares ou As Moradas da Lua conforme vislumbra-se nas Clavículas de Salomão.


Clique na imagem para ampliar




A natureza da Lua e seu poder mágico.

Sabemos que na astrologia oriental a Lua ocupa 28 casas, estações ou moradas, ou ainda, conhecida como mansões lunares no zodíaco, com exceção da astrologia védica que contém somente 27. As mansões são um segmento na eclíptica em relação as estrelas fixas e possui origem Babilônica, mas um dos mais conhecidos textos astronômicos é o Vedanga Jyotisha e, por isso foi introduzido no Atharvaveda e também no Shatapatha Brahmana. Para os Árabes cada mansão lunar foi associada à uma estrela ou constelação dominante. Algum conhecimento nos foi legado através de Al-Biruni e, antes dele Abenragel. Você irá encontrar sistemas para as Mansões Arabes, Hindus, Chinesas, Ibn, Copta de Kircher, Agrippa e cada um deles você encontra uma contradição, contudo, isso funciona.

O que eu vou escrever aqui não é nenhum segredo para nenhum mago ou bruxa, desde que esse ensinamento está nas Clavículas de Salomão e outros tratados de magia. Com certeza você já deve ter lido tais livros de domínio público.

A Lua domina particularmente o que chamamos na Terra de “mundo físico” e que em hermetismo é chamado de “mundo sublunar”.  A Lua é tão importante em magia quanto o Sol e guiar-se por esses dois é o bastante para triunfar em todas as operações mágicas.

A Lua é a matriz astral de todas as produções terrestres de que o Sol é o pai vivo. Não há vida na terra sem o Sol, mas fluídos e almas, chegam na Terra passando pela Lua e vão embora passando por ela igualmente. Jâmblico nos diz que tudo o que temos de bom provém do Sol. Heráclito chama o Sol de fonte de luz celeste e a maioria dos Platônicos colocam a Alma Mundi no Sol. Por isso os antigos naturalistas chamavam o Sol de coração do céu e os Caldeus localizavam o Sol no centro dos Planetas. Os Egípcios colocaram o Sol no centro do mundo, entre os dois quintos do mundo. Homero e Aristóteles também concordam que o Sol influencia o espírito e a mente do ser humano. A Lua, mais próxima da Terra, recebe todas as influências Celestes por causa da rapidez do seu curso e se une todos os meses ao Sol, planetas e astros, recebendo todas as concepções de raios e magnetizando-os para influenciar a vida na terra, ou o mundo inferior, o mais próximo dela. Todos os astros influenciam a Lua, o último receptáculo que transmite a influência de todos os superiores para os inferiores e derrama sobre a terra.

A Lua empresta do Sol a sua cor em cada ocasião e, desse ponto os corpos celestes começam uma série de coisas que Platão chama de “Corrente de Ouro”, pela qual cada coisa e cada causa, interligadas, dependem da superior até chegar a causa suprema da qual todas as coisas dependem. Por isso, sem o intermédio da Lua, não podemos atrair o poder dos superiores para obtermos a virtude de qualquer astro. Dessa forma a Lua se tornou a “mãe” das bruxas, a intercessora Deusa Lunar e WitchMother.

A Lua reproduz analogicamente em suas fases, a lei universal de involução e evolução em quatro períodos, mas seu curso é dividido em 2 sendo curso crescente e curso decrescente que vai da Lua Nova à Lua Cheia e, da Lua Cheia à Lua Nova. O pico da Lua Cheia é um único dia. Nesse dia sua influência é realmente dinâmica, no dia seguinte ela começa a minguar e você vê no céu que já está faltando um “pedacinho”.


Em magia a cor da Lua é o branco. Essa cor também é a cor do luto em bruxaria. A Lua também possui outras cores relacionadas à algumas magias específicas que mantém relação com suas fases e aspectos.

Assim observam-se os demais planetas para não causar nenhum erro ao se trabalhar com a Lua. Saturno é amigo de Marte e inimigo de todos os outros. Júpiter é amigo de todos. Marte é amigo de Vênus e inimigo dos demais. Sol é amigo de Júpiter e Vênus e inimigo de Saturno e Marte. Vênus é amigo do Sol, Marte, Mercúrio e Lua e é inimigo de Saturno. Mercúrio é bom com os bons e mau com os maus. A Lua possui relação neutra com todos os planetas e, por isso, vai depender da influência de cada feição que estiver fazendo com um dado planeta ou vários, observando sempre se ela está em aflição ou não e suas fases e livre de Marte, Saturno, a Cauda do Dragão e o Sol combusto. Contudo, isso é a regra de astrologia tradicional para quem tem estudado essa Arte e isso não nos é ensinado nas Clavículas.

Para isso, você deve aprender sobre o movimento retrogrado de cada planeta, bem como os Aspectos, Conjunção, Quadratura, Oposição, Trígono, sextil e outros. Também deve prestar atenção quando um planeta está no seu domicílio, ou no exílio, ou exaltação ou em queda. Se a Lua estiver bem afortunada sua força é intensa como no caso da conjunção com a cabeça do dragão. Então para um trabalho benéfico segue-se a regra já dita, e para um maléfico segue-se o antagônico.

Cada um dos signos do Zodíaco é considerado a morada  preferida, a casa de um planeta e por isso se observa igualmente como o planeta viaja pelas casas e como ele volta para sua, bem como o domicílio diurno e o noturno dos planetas.
A regra mágica para se trabalhar com as mansões lunares parece ser reivindicada hoje e atribuída aos antigos sábios da Arábia com o que eles chamam de Manazil Al Qamar e esse tipo de magia lunar é chamada de Magia Manazil. Nesse caso, as 28 mansões revelam o desenvolvimento lunar em relação as estrelas fixas e dessa forma pode-se captar o pneuma da Lua em um objeto ou desenho feito pela Arte para significar um talismã lunar de forma que fará o(a) bruxo(a) ou mago(a) conseguir o que quiser.

Os autores que abordam esses mandamentos são as Clavículas de Salomão, Papus, Agrippa, Francis Barret, o Picatrix, William Lily e o Christopher Warnock, e nenhum deles chega num consenso sobre a magia manazil, inclusive as janelas astrológicas são diferentes (alguns copiaram até o mesmo erro do outro) e não há um dogma a ser seguido, você adota um sistema e faz porque funciona. Lembramos aqui, que a velha feiticeira tradicional do campo, iletrada, porém, com um poder natural de mover as nuvens e o destino, não tinha esse conhecimento, pois em princípio, antigamente esse conhecimento só era dado aos ricos letrados que podiam pagar um curso de astrologia clássica.



Mas o que a Lua tem haver com os 12 signos (ou constelações)? Tem tudo. Depois de estudar esse tema com profundidade você chegará na conclusão de que se trata de um conhecimento capital para a magia.

Cada signo contém 30º e dividiu-se em três partes de 10º cada, formando cabeça, meio e fim. No livro Tratado de Magia do Papus, página 159, tem uma aulinha básica sobre isso e dá as influências da Lua em cada grau correto e ainda fornece umas fórmulas mágicas, bem como ensina a fazer um relógio mágico super simples com papel e um prego, para saber as horas planetárias sem precisar fazer cálculos magníficos.

Para a Lua são consagradas as ervas d’água e as que sofrem a influência lunar, como a palmeira, nenúfar, losna, e a chinostares identificada como lírio branco. No reino animal a Lua tem influência sobre as corujas, lobos, sapos e rãs, cães e peixes. Toda feitiçaria é baseada no princípio de “animar” um objeto com uma consagração para se cumprir o desejo da bruxa, por isso é importante conhecer isso. No ser humano a Lua influencia através das águas, que é o elemento do sentimento, facilitando as viagens atrais, a pitus, os olhos, a mente etc.

Há quem diga que o machismo surgiu depois dessas atribuições astrológicas, porque a Lua obedece a luz do Sol. Contudo, isso não deve ser levado à sério.
A Lua (satélite) é muito mais agitada que os demais planetas, torna o homem errante e versátil.

As Clavículas de Salomão divide as 28 moradas da Lua da seguinte forma:

Apenas dividindo em 360/60 = 12,86 graus cada espaço. Com esse seguimento traçado você terá uma esfera dividida em 28 partes iguais contendo 12,86º graus cada mansão. Porém, tenho que fazer a referência aos dizeres de Christopher Warnock, que ensina observar as precessões e, nesse sentido, cada mansão não terá uma janela astrológica exatamente com os 12,86º, mas sim uma pequena diferença.

Tomando o céu em partes ficaria assim: É como você pegar um círculo e dividir ele em 4 partes, cada parte terá 7 espaços.

Um ciclo de 28 dias, dividido em 4 partes de 7, sendo cada parte considerado um quarto do céu, então em cada quarto celeste teremos 7 casas ou mansões lunares de mais ou menos 12,86º cada uma.

Nas Clavículas aparece da seguinte forma:

Da 1ª à 7ª mansão compõem-se o primeiro quarto celeste.

Da 8ª à 14ª mansão compõem-se o segundo quarto celeste.

Da 15ª à 21ª mansão compõem-se o terceiro quarto celeste.

Da 22ª à 28ª mansão compõem-se o último quarto celeste.

A 1ª mansão com o nome de Alnat, regida por Áries, em 0º desse signo, favorece amor e separação.
Os graus de cada mansão podem ser vistos na primeira imagem que fiz lá em cima publicada nesse artigo.
A 2ª mansão com o nome de Albocan, regida por Áries, ver os graus na imagem supracitada, favorece a riqueza e a punição.
A 3ª mansão com o nome de Atorai, regida por Touro, favorece viagens por mar e o amor.
A 4ª mansão com o nome de Aldebarã, regida por Touro, favorece os obstáculos, discórdias, separações e inimizades.
A 5ª mansão com o nome de Alcatai, regida por Gêmeos nas Clavículas e regida por Touro no livro do Warnock, favorece viagens, amizade e habilidades.
A 6ª favorece a caça, guerra e o castigo.
A 7ª também tem diferenças de regência entre a Clavícula e o Warnock, favorece a sorte, sucesso nos negócios e a proteção de poderosos.

E assim por diante, mas é preciso lembrar que nenhum autor é condescendente com o outro no quesito que cada mansão favorece.

Para adivinhações e para encontrar coisas ocultas ou roubadas, bem como para a comunição com espíritos, a Clavícula diz que a Lua deve estar num signo de Terra. Para trabalhos ligados ao amor, graça, invisibilidade e mudanças, deve estar num signo de Água. Para lutas, disputas e afastamentos, deve estar num signo de Fogo. Para assuntos intelectuais, ciências, estudos, comércios e negócios, deve estar num signo de Ar.

Seja como for, o dia deve estar calmo e sereno, com o céu claro, sem chuvas ou ventanias para que se possam distinguir as manifestações elementais. A Clavícula ainda fornece as cores, símbolos, aromas, nomes de divindades e gênios para a confecção dos talismãs durante o ritual que deve obedecer as janelas astrológicas das mansões, com dia e horário calculados.

No livro de Agrippa, ele fornece desenhos dos talismãs, bem como no livro do Warnock encontra-se as figuras talismânicas e os exemplos de rituais.

O Francis Barret ainda cita Alfarus e Abraão como autores desses ensinamentos. No Hermetismo é encontrado os nomes das mansões para o plano ocidental, enquanto que o Warnock nos fornece nomes das mansões e gênios, inteligências e suas virtudes de acordo com a língua árabe.

Você pode ler mais sobre as Mansões Lunares clicando aqui:






Sett Ben Qayin



























Postar um comentário